Segunda-feira, 2 de Julho de 2007

CORTES-LEIRIA(5)

Afonso Lopes Vieira
Afonso Lopes Vieira (n. Leiria, 1878 - m. Lisboa, 1946), poeta português.
Concluido o Curso de Direito na Universidade de Coimbra (1894-1900), deslocou-se para Lisboa, na qualidade de redactor da Câmara dos Deputados (1900-1916).
Após esta data, passa a dedicar-se exclusivamente à sua actividade literária de que precocemente dera provas na fase estudantil ao redigir alguns jornais manuscritos, de que são exemplos A Vespa e O Estudante . Com a publicação do livro Para Quê? (1897) marca a sua estreia poética, iniciando um período de intensa actividade literária — Ar Livre (1906), O Pão e as Rosas (1908), Canções do Vento e do Sol (1911), Poesias sobre as “Cenas Infantis” de Shumann (1915), Ilhas de Bruma (1917), País Lilás, Desterro Azul (1922) - encerrando a sua actividade poética, assim julgava, com a antologia Versos de Afonso Lopes Vieira (1927). A obra poética culmina com o inovador e epigonal livro Onde a terra se acaba e o mar começa (1940).
O carácter activo e multifacetado do escritor tem expressão na sua colaboração em A Campanha Vicentina, na multiplicação de conferências em nome dos valores artísticos e culturais nacionais, recolhidas nos volumes Em demanda do Graal (1922) e Nova demanda do Graal (1942). A sua acção não se encerra, porém, aqui, sendo de considerar a dedicação à causa infantil, iniciada com Animais Nossos Amigos (1911), um filme infantil O Afilhado de Santo António (1928), entre outros. Por fim, assinale-se a sua demarcação face à ideologia salazarista expressa no texto Éclogas de Agora (1935).
Cidadão do mundo, Afonso Lopes Vieira não esqueceu as suas origens, conservando as imagens de uma Leiria de paisagem bucólica e romântica rodeada de maciços verdejantes plantados de vinhedos e rasgados pelo rio Lis, mas, sobretudo, de São Pedro de Moel, paisagem de eleição do escritor, enquanto inspiração e génese da sua obra. O Mar e o Pinhal são os principais motivos da sua poética.
Nestas paisagens o poeta confessa sentir-se «[...] mais em família com o chão e com a gente», evidenciando no seu tratamento uma apetência para motivos líricos populares e nacionais. Essencialmente panteísta, leu e fixou as gentes, as crenças, os costumes, e as paisagens de uma Estremadura que interpretou como «o coração de Portugal, onde o próprio chão, o das praias, da floresta, da planície ou das serras, exala o fluído evocador da história pátria; província heróica, povoada de mosteiros e castelos...» (Nova demanda do Graal, 1942: 65).
Actualmente a Biblioteca Municipal em Leiria tem o seu nome. A sua casa de São Pedro de Moel foi transformada em Museu. Lopes Vieira é considerado um eminente poeta, um dos primeiros representantes do Neogarretismo e esteve ligado à corrente conhecida como Renascença Portuguesa.
                                               OBRA
          Para quê? (1898)
* Naufrago-versos lusitanos (1899)
* Auto da Sebenta (1900)
* Elegia da Cabra (1900)
* Meu Adeus (1900)
* Ar Livre (1901)
* O Poeta Saudade (1903)
* Marques - História de um Peregrino (1904)
* Poesias Escolhidas (1905)
* O Encoberto (1908)
* O Pão e as Rosas (1910)
* Gil Vicente-Monólogo do Vaqueiro (1910)
* O Povo e os Poetas Portugueses (1911)
* Rosas Bravas (1911)
* Auto da Barca do Inferno (adaptação) (1911)
* Os Animais Nossos Amigos (1911)
* Canções do Vento e do Sol (1912)
* Bartolomeu Marinheiro (1912)
* Canto Infantil (1913)
* O Soneto dos Tûmulos (1913)
* Inês de Castro na Poesia e na Lenda (1914)
* A Campanha Vicentina (1914)
* A Poesia dos Painéis de S.Vicente (1915)
* Poesias sobre as Cenas de Schumann (1916)
* Autos de Gil Vicente (1917)
* Canções de Saudade e de Amor (1917)
* Ilhas de Bruma (1918)
* Cancioneiro de Coimbra (1920)
* Crisfal (1920)
* Cantos Portugueses (1922)
* Em Demanda do Graal (l922)
* País Lilás, Desterro Azul (1922)
* O Romance de Amadis (1923)
* Da Reintegração dos Primitivos Portugueses (1924)
* Diana (1925)
* Ao Soldado Desconhecido (1925)
* Os Versos de Afonso Lopes Vieira (1928)
* Os Lusíadas (1929)
* O Poema do Cid (tradução) (1930)
* O livro do Amor de João de Deus (1930)
* Fátima (1931)
* Poema da Oratória de Rui Coelho (1931)
* Animais Nossos Amigos (1932)
* Santo António (1932)
* Lírica de Camões (1932)
* Relatório e Contas da Minha Viagem a Angola (1935)
* Églogas de Agora (livro proibido até 25/4/1974) (1937)
* Ao Povo de Lisboa (1938)
* O Conto de Amadis de Portugal (1940)
* Poesias de Francisco Rodrigues Lobo (1940)
* A Paixão de Pedro o Cru (1940)
* Onde a Terra se Acaba e o Mar Começa (1940)
* O Carácter de Camões (1941)
* Cartas de Soror Mariana (tradução) (1942)
* Nova Demanda do Graal (1947)
* Branca Flor e Frei Malandro (1947)

 

LINKS RELACIONADOS:

 

* CORTES-LEIRIA(1)

* CORTES-LEIRIA(2)

* CORTES-LEIRIA(3)

* CORTES-LEIRIA CLIPS VIDEO

* CORTES-LEIRIA(4)

* CORTES-LEIRIA(5)

* CORTES-LEIRIA-TASQUINHAS1...

* CORTES-LEIRIA(6)

* CORTES-LEIRIA(FILARMÓNICA...

* CORTES-LEIRIA (SLIDESHOW-...

* CORTES-LEIRIA(7)

* CORTES-LEIRIA(8)

***************

publicado por alfredocr às 00:16
link do post | comentar | favorito
|

*Afredocr*

Obrigado Visitante


*Posts recentes*

CORTES-LEIRIA(5)

tags

"festa da bidoeira de cima 2010"(5)

"festa s.amaro"(5)

"golden bar"(4)

barreira(4)

batalha(27)

bidoeira cima(6)

bidoeira de cima(7)

chãs(4)

cortes(4)

festival folclore(4)

figueiras(6)

freguesia monte real(8)

ilha(12)

leiria(115)

leiria diario leiria(8)

monte redondo(4)

ortigosa(8)

pombal(15)

rebolaria(4)

tasquinhas(4)

todas as tags

*Arquivos*

Novembro 2013

Outubro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

blogs SAPO

subscrever feeds